08 Dec
Mobiliza IPPUR: PEC 55 e a austeridade seletiva
Lido 1385 vezes | Publicado em Notícias | Última modificação em 08-12-2016 17:23:04
 
Manifestação contra a PEC 55 Crédito: Mídia Ninja/Reprodução
tamanho do texto reduzir tamanho do texto aumentar tamanho do texto
Qualifique este item
(0 votos)

O Mobiliza IPPUR promoveu, no dia 7 de novembro na Faculdade Nacional de Direito (UFRJ), o evento “PEC 55 e a austeridade seletiva”, que contou com a participação de Ricardo Lodi, professor de Direito/UERJ; e representantes de movimentos políticos contrários à PEC. Segundo Lodi, o pacote de austeridade do Governo Temer não é para todos, é sim seletivo já que vai atingir principalmente os trabalhares e consumidores, mas não o capital e a propriedade. “Por meio da doutrina do choque com a narrativa de crise econômico-política, o governo federal quer acabar com o Estado Social. A PEC 55 e agora a PEC da Previdência significam o fim do Estado distributivo. Estamos vendo um retrocesso comandado pela elite econômica do país”, defende Lodi.

O Mobiliza IPPUR é um grupo formado por alunos, professores e técnicos do Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano e Regional (IPPUR/UFRJ), criado para debater, refletir e lutar pela universidade pública diante de um contexto conservador da classe política brasileira.

 


A Rede INCT Observatório das Metrópoles apoia o Mobiliza IPPUR e os outros grupos e entidades que estão produzindo material crítico sobre a atual crise política do Brasil, e buscando soluções e modos de resistência diante das medidas conservadoras e de retrocesso que estão sendo implementados no país.

Até o dia 16 de dezembro, o Mobiliza IPPUR realizará uma série de eventos de resistência e debate.

Veja a programação aqui


CARTA-MANIFESTO DO MOBILIZA IPPUR

Estamos indignados. Diante dos impactos das propostas do atual governo nos serviços públicos, na ciência e no campo acadêmico, que implicam perda de recursos e de legitimidade das universidades, faz-se ainda mais urgente assumir a disputa pela opinião pública.

Estamos motivados e vamos resistir à atual rodada de medidas retrógradas e de austeridade seletiva. Nossa atuação começa dentro da universidade, radicalizando a articulação entre ensino, pesquisa e extensão e reestruturando a relação com as questões trazidas pela sociedade de forma mais ampla com o intuito de potencializar a produção da crítica.

Organizamos grupos de trabalho interdisciplinares, formados por alunos, professores e técnicos do IPPUR para acompanhar a imprensa e o cotidiano do campo burocrático nas três esferas de governo, identificar pautas pertinentes à gestão pública e ao planejamento urbano e regional, debater sobre estes temas e produzir conteúdo crítico para ser divulgado em diferentes plataformas.

Estamos mobilizados. O instituto está direcionado, pelo menos até o fim do ano, para a tarefa emergencial de defender um ensino público, reflexivo e de alta qualidade, assim como outras funções essenciais de um Estado democrático e justo.

 

A PEC 55 E A AUSTERIDADE SELETIVA

Durante o evento “A PEC 55 e a austeridade seletiva”, o profº Ricardo Lodi (UERJ) falou sobre o retrocesso político e econômico que o Brasil está vivendo, simbolizado pela Proposta de Emenda Parlamentar 55, que está em processo de aprovação a partir do uso da “doutrina de choque” do Governo Michel Temer, apoiada pelos Poderes Legislativo e Jucidiário, pela grande mídia e a classe empresarial do país.

“A PEC 55 significa que a economia brasileira vai voltar a crescer, que a população também vai crescer nos próximos 20 anos, porém, as despesas do Estado não! Ou seja, uma geração que vai nascer agora não pode contar com o Estado para mais nada”, explica.

 

Ricardo Lodi

Segundo Ricardo Lodi, o governo de Michel Temer quer destruir o Estado Social a partir da austeridade seletiva. “Chamo de seletiva porque a PEC 55 não é ruim para todo mundo. É ruim para quem precisa dos serviços do Estado, como saúde pública, previdência, educação pública etc., ou seja, a maioria da população. Enfim, a PEC 55 atinge diretamente os trabalhadores e consumidores, mas não o capital e a propriedade. É uma política de austeridade que tem como objetivo reduzir o tamanho do Estado,  similar ao que existia no período pré-1930, no qual era cada um por si. Em suma, é uma política para uma pequena parte da população; para essa elite econômica que tem dinheiro para comprar o apoio político e construir uma narrativa nacional de caos e austeridade”.

Ricardo Lodi falou da estratégia do governo federal de usar a “doutrina de choque” para viabiliza as medidas de austeridade. “O que estamos vendo é a construção de uma narrativa de caos econômico e político — apoiado pela grande mídia — para gerar medo na população e viabilizar as políticas de austeridade. Essa é uma prática dos governos liberais, e foi usado por Margaret Thatcher no Reino Unido e Ronald Regan nos EUA. No Brasil, a doutrina do choque criou um inimigo nacional, o PT, e nomeou o vilão a Corrupção, e agora está buscando unir os vários setores pelo medo para aprovar as propostas”, aponta.

Veja o vídeo da participação de Ricardo Lodi em Brasília para analisar a PEC 55.

 

 

 

Acesse:

Mobiliza IPPUR

Mobiliza PÓS RJ

 




O laboratório da Coordenação Nacional da Rede INCT Observatório das Metrópoles está temporariamente fechado, por conta do incêndio ocorrido, no começo de outubro, no Prédio da Reitoria da UFRJ.

Pedimos que os contatos sejam realizados pelos seguintes e-mails:

Elizabeth Alves
beth@observatoriodasmetropoles.net

Assuntos administrativos

Karol de Souza
karol@observatoriodasmetropoles.net

Assessoria de Comunicação

Breno Procópio
comunicacao@observatoriodasmetropoles.net

Assuntos Acadêmicos

Juciano Rodrigues
juciano@observatoriodasmetropoles.net