22 Jul
Política ambiental urbana no bairro da Maraponga, em Fortaleza
Lido 7205 vezes | Publicado em Artigos | Última modificação em 22-07-2015 17:13:03
 
Vista aérea do bairro da Maraponga, na capital cearense: política ambiental urbana em pauta. Reprodução: Google Maps
tamanho do texto reduzir tamanho do texto aumentar tamanho do texto
Qualifique este item
(1 vote)

Professoras do Departamento de Arquitetura e Urbanismo da Universidade Federal do Ceará (UFC), Clarissa Freitas e Naggila Frota examinam neste artigo, parte integrante da edição 21 da revista emetropolis, a evolução da dinâmica urbana da Maraponga, em Fortaleza, para ilustrar o descompasso entre os instrumentos legais do planejamento urbano e planejamento ambiental quanto às transformações estruturais no setor da produção imobiliária na capital cearense.

Na defesa do Sistema de Espaços Livres (SEL) no bairro da Maraponga, as autoras pontuam que o aumento de recursos para financiamento habitacionais e de investimentos em infraestrutura urbana desde os anos 2000 naquela área não tem promovido alterações no “continuado processo de degradação e deterioração dos espaços urbanos em geral”, mesmo com o avanço da legislação ambiental sobre o espaço urbano nos últimos anos.

O bairro da Maraponga, em Fortaleza, localiza-se a 12 quilômetros do Centro da cidade e está dentro da Bacia Hidrográfica do Rio Cocó e do Rio Maranguapinho, possuindo cotas elevadas e algumas nascentes dentro do seu território. A proximidade com a Lagoa da Maraponga e de áreas verdes como um todo vem conferindo a esse bairro funções ambientais, urbanas e paisagísticas valorizadas no contexto de sua dinâmica urbana.

Segundo dados do Sinduscon-CE, o valor médio do metro quadrado na Maraponga subiu de cerca de mil reais em 2005 para quase 2 mil reais em 2010. Mesmo com localização periférica, o bairro conta com uma rede viária consolidada, integração com o metrô e ainda está próximo de grandes equipamentos como o aeroporto, shopping centers e estádio de futebol. A expansão do mercado imobiliário formal se deu graças, também, a partir de 2009 com o Programa Minha Casa Minha Vida (PMCMV), que inseriu novas tipologias arquitetônicas naquela região.

No entanto, Freitas e Frota alertam que a urbanização contínua na Maraponga tem avançado sobre áreas ambientalmente inadequadas e sem uma regulação ambiental e urbana efetiva. Apesar da criação da Área de Proteção Ambiental (APA) da lagoa da Maraponga em 1991, as autoras afirmam que a urbanização recente naquele bairro se caracteriza mais pela continuidade das velhas práticas de ocupação do que por um rompimento das mesmas em função da preocupação ambiental:

O processo de urbanização recente do bairro da Maraponga revela que a nova conjuntura na qual o bairro está inserido não implica a qualificação de sua área livre pública. [...] As construções formais, fruto de investimentos imobiliários público e privados e aprovadas pelas regulações urbanísticas e ambientais vigentes, avançam sobre as áreas de valor ambiental e paisagístico sem fomentar o desenvolvimento dos atributos inerentes a estas, que contribuiriam para a formação de um SEL. Ao fazer isso, acabam por justificar a expansão das ocupações irregulares no entorno (p. 30).

 

*por Pedro Paulo Bastos - pesquisador do INCT Observatório das Metrópoles (Rio de Janeiro)

Acesse a página da revista emetropolis e leia o artigo "Política ambiental urbana no cenário de expansão do capital imobiliário: o caso da Maraponga em Fortaleza", de Elizabeth Borelli, na íntegra: http://emetropolis.net



Etiquetado como:
O laboratório da Coordenação Nacional da Rede INCT Observatório das Metrópoles está temporariamente fechado, por conta do incêndio ocorrido, no começo de outubro, no Prédio da Reitoria da UFRJ.

Pedimos que os contatos sejam realizados pelos seguintes e-mails:

Elizabeth Alves
beth@observatoriodasmetropoles.net

Assuntos administrativos

Karol de Souza
karol@observatoriodasmetropoles.net

Assessoria de Comunicação

Breno Procópio
comunicacao@observatoriodasmetropoles.net

Assuntos Acadêmicos

Juciano Rodrigues
juciano@observatoriodasmetropoles.net