18 Aug
Curitiba não é mais a mesma | Andréa Azambuja
Lido 7408 vezes | Publicado em Artigos | Última modificação em 20-08-2015 14:55:31
 
Em seu artigo, Andréa Azambuja destaca a importância de grupos independentes no planejamento urbano Reprodução / Internet
tamanho do texto reduzir tamanho do texto aumentar tamanho do texto
Qualifique este item
(1 vote)

Curitiba foi famosa por implantar um modelo inovador de transporte público, o Bus Rapid Transit (BRT). Por anos, a cidade foi referência em mobilidade. Mas, o projeto não acompanhou as transformações urbanas e o aumento da população. É o que aponta a coordenadora da rede URB.im em Curitiba, Andréa Azambuja, no artigo “Curitiba não é mais a mesma”, no qual é citada a produção da Rede INCT Observatório das Metrópoles.

Azambuja destacou em seu artigo a análise contida no e-book "Curitiba: transformações na ordem urbana", do Observatório das Metrópoles, destacando que a obra “investiga os processos de periferização e segregação socioespacial, propõe novos ângulos de análise e discute perspectivas para o futuro. Panorama esse totalmente dependente do transporte”.

Em sua análise, a pesquisadora ressalta a importância de diversos grupos independentes que surgiram em Curitiba nos últimos anos para exigir ao poder público poder participar no planejamento do futuro da cidade. Ela destaca o Mobiliza Curitiba,  o CicloIguaçu e o Observatório das Metrópoles.

O encerrar o artigo, Azembuja aponta que “é irônico como o ir e vir, emblema da liberdade, se tornou sinônimo de prisão até em Curitiba”, defende o planejamento estratégico de todo o sistema de circulação na cidade e enfatiza a importância da participação popular neste processo.

Confira a íntegra do artigo "Curitiba não é mais a mesma", assinado por Andréa Azambuja.

 

 



Etiquetado como: