15 Mar
Revista Mercator: Novas paisagens urbanas no Programa MCMV
Lido 1241 vezes | Publicado em Artigos Científicos | Última modificação em 15-03-2017 16:55:19
 
tamanho do texto reduzir tamanho do texto aumentar tamanho do texto
Qualifique este item
(0 votos)

A Revista Mercator, vinculada à Pós-Graduação em Geografia da Universidade Federal do Ceará (UFC), divulga a sua nova edição (v. 16 2017). Editada pelo professor Eustógio Wanderley Correia Dantas, ligado ao Núcleo Fortaleza da Rede Observatório das Metrópoles, a Mercator ocupa um papel de destaque na área da geografia com avaliação A1 no Qualis-Periódiocos da Capes.

MERCATOR busca contribuir na divulgação de reflexões sobre temas atuais e relacionados à área de geografia, tais como: questão ambiental, modernização do campo, uso e conservação dos recursos naturais, questão urbana e processos de metropolização, dinâmica da natureza, movimentos sociais no campo e na cidade, turismo e transformação do litoral, problemática regional, geoprocessamento, globalização e desenvolvimento.

Nesta nova edição (v. 16 2017), entre os artigos de destaque está o artigo “Novas Paisagens Urbanas do Programa Minha Casa, Minha Vida”, do professor Herve Thery,  pesquisador emérito no Centre de Recherche et de Documentation sur les Amériques (CNRS-Creda).

De acordo com Thery, o programa “Minha casa, minha vida”, maior programa habitacional do país nos últimos trinta anos, mudou profundamente a paisagem de muitas cidades brasileiras. Lançado em 2009, no segundo mandato do ex-presidente Lula, se tornou uma das principais bandeiras políticas do governo Dilma Rousseff e foi responsável da construção, nas periferias urbanas do país, de conjuntos de dezenas, centenas ou até milhares de pequenas casas.

Concebido para dinamizar a construção civil e combater os efeitos da crise econômica internacional, se tornou um instrumento para reduzir o déficit habitacional do país, mas não escapa de críticas dos especialistas que estudaram seus empreendimentos. O presente artigo após ume breve apresentação da sua história, considera os seus efeitos na paisagem das cidades, medidos através de fotos, provenientes do campo ou da Internet, e de imagens verticais do Google Earth. Casos específicos são escolhidos em cidades de porte médi  e em algumas capitais. Finalmente duas entrevistas ajudaram a completar a avaliação do programa.

Acesse o artigo na nova edição da Revista Mercator.

 

 



Etiquetado como:
voltar ao topo