27 Mar
Pesquisa Perfil do Ciclista 2017
Read 2430 times | Published in Notícias | Last modified on 27-03-2017 17:53:28
 
font size decrease font size increase font size
Rate this item
(0 votes)

A ONG Transporte Ativo, o Laboratório de Mobilidade Sustentável (LABMOB) e o INCT Observatório das Metrópoles divulgam a convocatória para interessados em participar da pesquisa Perfil do Ciclista 2017. Será o segundo levantamento sobre o modal cicloviário urbano no Brasil. Na primeira edição foram entrevistados 5012 ciclistas em dez cidades de diferentes regiões brasileiras e representou um marco nas pesquisas para a promoção do transporte cicloviário. Nesta segunda edição a novidade é o caráter internacional, envolvendo mais cidades brasileiras e da América Latina. A organização BiciAcción, de Quito no Equador, se une ao grupo que lidera o projeto.

A chamada para a pesquisa “Perfil do Ciclista 2017” tem como objetivo gerar dados que impulsionem a construção de políticas que promovam o uso da bicicleta nas cidades é uma das formas de se trabalhar em prol das bicicletas. Será uma grande oportunidade para a sociedade civil e a academia contribuírem para o desenvolvimento de ações de promoção ao uso da bicicleta. A análise dos dados coletados contribui com o estudo dos desafios e caminhos possíveis para incremento da mobilidade urbana por bicicletas.

Sobre a Pesquisa

Todo o processo será conduzido de maneira colaborativa e participativa.

Após inscrição da sua cidade/organização, faremos contato para sanar possíveis dúvidas.

Uma primeira versão do questionário será apresentada às organizações envolvidas para análise prévia. As organizações poderão incluir até 5 perguntas de interesse local no questionário de sua cidade desde que respeitada a metodologia de pesquisa acordada.

As organizações participantes receberão treinamento online para aplicação dos questionários e serão realizadas aplicações piloto do mesmo em todas as cidades envolvidas com o objetivo de minimizar variáveis externas e alinhar sua execução.

O Banco de Dados, onde serão alimentados os dados coletados, será gerido pela Coordenação da Pesquisa e cada cidade terá direito de acesso aos dados brutos para serem usados dentro dos padrões e critérios pré-estabelecidos e acordados pelo coletivo.

OBJETIVOS

Conhecer os ciclistas e suas motivações para usar a bicicleta.

Gerar subsídios para que gestores públicos, urbanistas e outros atores envolvidos formulem uma agenda mais precisa e robusta com políticas públicas e ações de promoção à mobilidade por bicicleta.

Coordenação:

Transporte Ativo

Laboratório de Mobilidade Sustentável - LABMOB/UFRJ

Parceiros:

Observatório das Metrópoles

BiciAcción – Equador

Mais informações e como participar, acesse o link do site do Transporte Ativo.

http://transporteativo.org.br/ta/?page_id=9762


Perfil do Ciclista Brasileiro

A publicação Perfil do Ciclista Brasileiro – Parceria Nacional pela Mobilidade por Bicicleta foi lançada, em novembro de 2015.

Na coordenação geral da pesquisa estavam presentes o pesquisador Juciano Rodrigues, do INCT Observatório das Metrópoles; e o pesquisador Victor Andrade, do Laboratório de Mobilidade (LabMob/PROURB/UFRJ). Também estiveram presentes  as organizações que atuam pela promoção da bicicleta e que foram responsáveis pela coleta de dados nas cidades participantes, como: Mobicidade, Ciclocidade, BH em Ciclo, Salvador vai de Bike, Ameciclo Recife, Rodas da Paz, Pedala Manaus, Ciclo Urbano e Bike Anjo Salvador.

Na pesquisa foram entrevistados 5012 ciclistas em dez cidades das diferentes regiões brasileiras: Aracaju, Belo Horizonte, Brasília, Manaus, Niterói, Porto Alegre, Recife, Rio de Janeiro, Salvador e São Paulo. Para isso, foram a campo, durante os meses de julho a agosto de 2015, mais de 100 pesquisadores.

Esta foi a primeira pesquisa brasileira sobre o perfil dos ciclistas urbanos com abrangência nacional e vem preencher uma lacuna onde até então havia escasso conhecimento sobre os usuários e o uso da bicicleta como transporte urbano no país.

Como aplicação imediata dos dados coletados e analisados nesta pesquisa, tem-se o fornecimento de subsídios para que gestores públicos, urbanistas e outros atores envolvidos formulem uma agenda mais precisa e robusta de políticas públicas e ações de promoção do transporte cicloviário.

Segundo Juciano Rodrigues (Observatório das Metrópoles), estamos vivenciando o nascimento de uma cultura de mobilidade urbana emergente – focada nos pedestres e ciclistas – em resposta aos desafios sociais, econômicos e ambientais enfrentados pela sociedade brasileira. “Apesar dos avanços alcançados, a condição atual das cidades brasileiras está longe da ideal. O padrão de desenvolvimento urbano hegemônico ainda traz o carro particular como protagonista e relega ciclistas e pedestres ao segundo plano. Esta situação tem levado nossas cidades ao colapso e revela a urgência de uma inflexão no modelo de desenvolvimento urbano brasileiro”, explica e completa:

“Essa publicação quer contribuir para a transformação das cidades brasileiras em ambientes convidativos aos ciclistas. Buscamos um modelo de cidade democrática e acessível”.

Para Victor Andrade, do LabMob/PROURB, a pesquisa é a primeira em escala nacional que trata do perfil dos ciclistas e suas motivações para pedalar. “Os resultados encontrados são muito importantes e inéditos e serão utilizados tanto apoiando a elaboração de políticas públicas quanto no empoderamento das organizações que promovem a bicicleta. Esta pesquisa e a primeira etapa na estruturação de uma rede nacional colaborativa de pesquisadores compartilhando métodos e dados”.

ATIVISMO PELA BICICLETA. Zé Lobo é coordenador geral da Transporte Ativo – organização social que atua desde a década de 1990 na defesa do uso da bicicleta e afins como meio de transporte, divulgando e defendendo seu uso de diferentes formas, por acreditar que cidades com mais qualidade de vida devem ser cidades com mobilidade sustentável.

Lobo foi idealizador da pesquisa “Perfil do Ciclista Brasileiro” e articulou a formação da rede para execução do levantamento. De acordo com ele, o levantamento representa um marco nas pesquisas sobre o uso da bicicleta como transporte urbano no Brasil – já que se propõe a construir uma base de dados qualitativa sobre o comportamento do ciclista, suas motivações e dificuldades ao usar a bicicleta no dia a dia.

“Acredito que o principal resultado da pesquisa foi ter buscado levantar esse comportamento do ciclista. Outra questão importante é que a pesquisa conseguiu gerar dados em dez cidades diferentes – o que nos possibilita ter um olhar mais nacional sobre o uso da bicicleta como transporte urbano. Agora temos um conjunto de dados que pode ser cruzado e explorado – tanto nacional como localmente. Ou seja, a sociedade civil e as organizações de ciclo ativismo podem elaborar projetos e levar ao poder público local tomando por base os dados do perfil – já que eles apontam demandas dos usuários. A pesquisa nesse sentido serve como ferramenta de empoderamento e articulação”, explica Zé Lobo e completa:

“O perfil representa um passo importante para a promoção da bicicleta como transporte urbano. Temos um volume grande de dados agora que serão difundidos, debatidos. Queremos ampliar esse debate, mostrar que cidades mais sustentáveis devem ter também a bicicleta como um modal de transporte, já que gera saúde, maior inclusão social, menor poluição, e um espaço mais feliz e seguro – já que o cidadão circula de fato pelo espaço urbano”.

 

 

 

 

 

 

 

Faça no link a seguir o download do Perfil do Ciclista Brasileiro – parceria nacional pela mobilidade (versão livreto).

 

Veja também o Relatório Completo Perfil do Ciclista Brasileiro (dados gerais).




Tagged under: