10 May
O congelamento de gastos como ameaça à cidadania
Lido 1337 vezes | Publicado em Entrevistas | Última modificação em 11-05-2017 14:04:47
 
tamanho do texto reduzir tamanho do texto aumentar tamanho do texto
Qualifique este item
(0 votos)

A entrevista da edição nº 28 da Revista e-metropolis é resultado do esforço de mobilização de alunos, professores e funcionários do IPPUR/UFRJ, que, no segundo semestre de 2016, iniciaram o Mobiliza IPPUR, consistindo num ciclo de atividades, debates e diálogos sobre a atual conjuntura política brasileira. No âmbito das discussões sobre austeridade e crise fiscal, a professora Hipólita Siqueira (IPPUR/UFRJ) e o Mobiliza IPPUR realizaram uma entrevista com o Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese), no Rio de Janeiro, sobre a trajetória e desenvolvimento do tema do salário-mínimo no Brasil, situando-o na atual conjuntura e seus desdobramentos. A entrevista busca mostrar a importância do salário mínimo para os trabalhadores e para a dinâmica macroeconômica brasileira, relacionando o tema com a proposta da Reforma da Previdência.

A entrevista “O congelamento de gastos como ameaça à cidadania” é um dos destaques da nova edição da Revista eletrônica e-metropolis (nº 28).

 

MOBILIZA IPPUR


Em outubro de 2016, tomados pela urgência de se aprofundar nos temas que dominavam o debate público, discentes, docentes e técnicos do IPPUR/UFRJ mobilizaram-se para debater criticamente a atual conjuntura política brasileira, formando o coletivo Mobiliza IPPUR. Com o intuito de incentivar as trocas e os diálogos, foram organizadas atividades em parceria com os estudantes que ocupavam as unidades da UFRJ e outros grupos, acadêmicos e não acadêmicos, que se mobilizavam contra as medidas retrógradas da agenda política.

Envolvendo especialistas e instituições que ultrapassam o âmbito acadêmico, os debates promovidos abarcaram uma pluralidade de temáticas, tais como: os movimentos de luta pela moradia; a financeirização das terras urbanas; a democratização da mídia; as estratégias contraneoliberalizadoras; o licenciamento ambiental e a violação de direitos; a relação entre a religião e a política. O aprofundamento de alguns destes temas se deu no interior de três grupos de trabalho, “Austeridade e Crise Fiscal”, “Habitação” e “Estado”, que resultou na organização de oficinas, na produção de materiais e na realização de entrevistas com especialistas.

Nesse contexto, o grupo de trabalho “Austeridade e Crise Fiscal” debruçou-se sobre o conteúdo e os desdobramentos das políticas de ajuste e congelamento de gastos públicos recentemente aprovadas e identificou que elas não apenas atingirão diretamente as políticas sociais, mas também terão impacto significativo sobre a política de valorização do salário mínimo – esta que, nos últimos anos, tem se mostrado central para a melhoria da qualidade de vida dos trabalhadores em geral, e pela sustentação de patamares mínimos de cidadania no Brasil.

Para debater este tema ainda pouco explorado na atual conjuntura, o Mobiliza IPPUR e a professora Hipólita Siqueira (IPPUR/UFRJ) estiveram no Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese), instituição ligada aos movimentos sindicais que acompanha historicamente o debate sobre o salário mínimo no Brasil, e conversaram com o sociólogo e técnico do Dieese, Mahatma Ramos dos Santos, no dia 19 de dezembro de 2016.

A entrevista abordou a importância do salário mínimo para os trabalhadores e para a dinâmica macroeconômica, os possíveis impactos da PEC 55 no cálculo anual do seu reajuste e as relações do tema com a proposta do atual governo para a Reforma da Previdência. Com este diálogo esperamos contribuir para o debate sobre como o ajuste fiscal deve deteriorar o nível de renda, afetando as condições de vida e aumentando a desigualdade no país nos próximos anos.

Leia a entrevista no site da Revista e-metropolis.



Etiquetado como: