05 Jul
Pesquisadora surda defende tese sobre habitação e metrópole
Lido 1001 vezes | Publicado em Notícias | Última modificação em 07-07-2017 14:06:33
 
Elcileni de Melo Borges durante a defesa da sua tese na UFG Crédito: Reprodução/UFG
tamanho do texto reduzir tamanho do texto aumentar tamanho do texto
Qualifique este item
(0 votos)

A Universidade Federal de Goiás (UFG) formou a primeira doutora deficiente auditiva da história da instituição. Elcileni de Melo Borges defendeu, no dia 26 de junho, a sua tese "Habitação e Metrópole: transformações recentes na dinâmica urbana de Goiânia", no âmbito do Programa de Pós-Graduação em Geografia do Instituto de Estudos Socioambientais (PPGeo/Iesa). O trabalho teve como objetivo mapear a produção habitacional da RMG entre 2005 e 2016, e identificar os impactos na reconfiguração urbana da metrópole goianiense. Elcileni de Melo Borges integra a Rede INCT Observatório das Metrópoles e a nossa equipe lhe dá os parabéns por essa conquista.

A tese foi orientada pela profª Drª Celene Cunha A. Monteiro Barreira (PPGeo-IESA/UFG), e co-orientada pelo Profº Drº. Dr. Aristides Moysés (MDTP/PUC.GO), ambos integrantes da Rede INCT Observatório das Metrópoles. Durante a defesa da tese, a pesquisadora e sua banca examinadora se comunicaram por meio de plataformas multimídia. Tais ferramentas possibilitaram tanto a participação das professoras Lucía Zanin Shimbo (IAU/USP — São Carlos), em São Paulo, e Eduarda Pires Marques da Costa (IGOT/Universidade de Lisboa), em Portugal, como a compreensão de Elcileni. O que era pronunciado, presencialmente ou a distância, uma colaboradora transcrevia simultaneamente e ela podia ler e responder de imediato.

Essa alternativa foi usada durante os quatro anos em que a pesquisadora frequentou as atividades do PPGeo. "Uma aluna ouvinte legendava as aulas pela plataforma Google Docs e eu conseguia ler de forma instantânea. Era como se fosse um 'closed caption'. Com isso, obtive aproveitamento suficiente em todas as disciplinas", explica a pesquisadora e completa:

"Além disso, a experiência prática me ajudou a vencer o medo de expor ao público e me possibilitou o contato com o instrumental e temática da pesquisa, dando maior segurança para realizar apresentações orais em seminários nacionais e, até, internacionais - como por exemplo, o estágio doutoral realizado no Instituto de Geografia e Ordenamento Territorial - IGOT, da Universidade de Lisboa (realizado entre novembro de 2014 e abril de 2015), sob coorientação da Profª Eduarda Marques da Costa e auxílio do Prof. Jorge Macaísta Malheiros".

GOIÂNIA

A apresentação de Elcileni Borges contemplou os resultados de uma vasta investigação feita em sete municípios da Região Metropolitana de Goiânia (RMG) a respeito da expansão do mercado imobiliário encadeada pela implantação de políticas públicas como o Crédito Solidário, Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), Minha Casa Minha Vida e Cheque Moradia (este último, estadual). Intitulada "Habitação e Metrópole: transformações recentes na dinâmica urbana de Goiânia", a tese teve como objetivos mapear a produção habitacional da RMG e identificar os impactos na reconfiguração urbana da metrópole goianiense entre 2005 e 2016. "Foi quando se viu aflorar uma nova periferia e novos padrões de segregação residencial e socioespacial", comentou.

Elcileni Borges conta que duas atividades foram fundamentais para o seu sucesso: os trabalhos desenvolvidos como Gestora Governamental no Governo de Goiás, em especial a participação na equipe de elaboração do Plano Estadual de Habitação de Interesse Social de Goiás (PEHIS.GO), atuando na Agência Goiana de Habitação (Agehab); e a participação nas pesquisas do Observatório das Metropóles — desde 2003, passei pelo PRONEX, Instituto do Milênio e INCT 2009-2014). "Aproveito para externar meus agradecimentos aos professores Luis César de Queiroz Ribeiro, Adauto Lúcio Cardoso e Luciana Lago, que tiveram grande influência das pesquisas desenvolvidas no TR Moradia", afirma a pesquisadora.

PERFIL

Elcileni é economista e gestora governamental do Estado de Goiás. Possui uma vasta experiência em estudos urbanos e habitacionais, sendo integrante da equipe do INCT Observatório das Metrópoles. Aos 27 anos descobriu um tumor no nervo auditivo e foi submetida à cirurgia, o que a deixou com deficiência auditiva bilateral. Ela é a segunda pessoa surda a se formar na pós-graduação da UFG. A primeira foi Renata Garcia, que concluiu Mestrado em Ciências da Saúde em 2016.

 

» Com informações da Assessoria de Comunicação da UFG.



Etiquetado como:
O laboratório da Coordenação Nacional da Rede INCT Observatório das Metrópoles está temporariamente fechado, por conta do incêndio ocorrido, no começo de outubro, no Prédio da Reitoria da UFRJ.

Pedimos que os contatos sejam realizados pelos seguintes e-mails:

Elizabeth Alves
beth@observatoriodasmetropoles.net

Assuntos administrativos

Karol de Souza
karol@observatoriodasmetropoles.net

Assessoria de Comunicação

Breno Procópio
comunicacao@observatoriodasmetropoles.net

Assuntos Acadêmicos

Juciano Rodrigues
juciano@observatoriodasmetropoles.net