21 Jul
#evento ⎮ IEA/USP: O que Restou dos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro
Lido 353 vezes | Publicado em Eventos | Última modificação em 21-07-2017 19:39:35
 
Estádio do Maracanã (vista aérea) Crédito: Diego Baravelli/IEA
tamanho do texto reduzir tamanho do texto aumentar tamanho do texto
Qualifique este item
(0 votos)

Perto de completar um ano de realização, as Olimpíadas Rio 2016 deixaram um legado questionável para o Rio de Janeiro e para os atletas olímpicos. O assunto será discutido na conferência "Um Ano Depois: O que Restou dos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro", realização do Instituto de Estudos Avançados da Universidade de São Paulo (IEA/USP), que acontece no dia 7 de agosto, às 9h, na Antiga Sala do Conselho Universitário da USP. Para participação presencial, é necessário fazer inscrição prévia. Também é possível acompanhar a conferência ao vivo pela web.

O evento terá exposição de Bárbara de Almeida, professora nos cursos de Educação Física e Pedagogia do Centro Universitário Internacional (Uninter); Juliano Fiori, jogador de rugby e integrante da Seleção Brasileira de Rugby na Rio 2016; e Ricardo Leyser, vice-presidente da Empresa Olímpica Municipal do Rio de Janeiro e que foi ministro interino do Esporte em 2016. A organização é de Katia Rubio, professora da Escola de Educação Física e Esporte (EEFE) da USP e integrante do Programa Ano Sabático do IEA, com o projeto "A influência dos Deslocamentos Nacionais e da Migração Transnacional na Formação da Identidade de Atletas Olímpicos Brasileiros".

Uma série de construções realizadas para a Rio 2016 não tiveram uso após as Olimpíadas. “O legado material ficou num vácuo até dois meses atrás, porque as autoridades municipais e estaduais disseram que não tinham condição de cuidar daquilo”, comenta Katia. Como explica a pesquisadora, agora o Ministério do Esporte será o responsável por estas construções, mas há apenas duas semanas – quase um ano depois do fim dos Jogos – o ex-jogador de vôlei André Felippe Falbo Ferreira, o Pampa, foi nomeado gestor das obras olímpicas.

“Pensando especificamente na cidade do Rio de Janeiro, várias obras construídas para os jogos não foram finalizadas e provavelmente não serão tão cedo. Acredito que a crise da cidade do Rio de Janeiro está relacionada diretamente aos gastos olímpicos que não foram cumpridos como deveriam”, avalia Katia.

Com o fim das Olimpíadas em agosto de 2016, grande parte do apoio aos atletas foi encerrado. Nos três anos que antecederam as Olimpíadas, houve inúmeras políticas públicas, além de ações públicas e privadas, voltadas para os atletas brasileiros. O investimento foi o maior da história: foram cerca de R$ 4 bilhões divididos entre estrutura, capacitação de profissionais, logística e programas direcionados aos atletas. O valor supera os R$ 2 bilhões investidos para Pequim 2008.

Porém, com o fim dos Jogos, o apoio aos atletas cessou: “Os patrocínios privados e estatais foram reduzidos a menos de 20% do que tínhamos antes. Uma política pública que gerou um benefício, chamado bolsa atleta, corre agora o risco de deixar de existir”, exemplifica Katia. O bolsa atleta é um programa de patrocínio individual a atletas que obtêm boas performances em competições nacionais e internacionais.

Apesar da delegação olímpica brasileira ter batido o recorde de medalhas conquistadas pelo país – com 19 medalhas, o Brasil superou a campanha de Londres 2012, na qual ganhou 17 –, Katia acredita que vai demorar muito para conseguir um desempenho como o do ano passado: “A participação brasileira nos jogos reflete um modelo de destaque imediato relacionado, exclusivamente, à condição do Brasil ser o país sede. Não houve um pensamento de política a longo prazo”.

“Os atletas vivem, talvez, um retrocesso de 20 anos nesse um ano que passou. A gente volta a um patamar de organização e de apoio ao esporte da década de 80, do começo do profissionalismo no país”, completou a pesquisadora.

Faça a inscrição para o evento aqui.

Mais informações no site da IEA/USP.

 

» Com informações da Assessoria de Imprensa do IEA/USP.



Etiquetado como:
O laboratório da Coordenação Nacional da Rede INCT Observatório das Metrópoles está temporariamente fechado, por conta do incêndio ocorrido, no começo de outubro, no Prédio da Reitoria da UFRJ.

Pedimos que os contatos sejam realizados pelos seguintes e-mails:

Elizabeth Alves
beth@observatoriodasmetropoles.net

Assuntos administrativos

Karol de Souza
karol@observatoriodasmetropoles.net

Assessoria de Comunicação

Breno Procópio
comunicacao@observatoriodasmetropoles.net

Assuntos Acadêmicos

Juciano Rodrigues
juciano@observatoriodasmetropoles.net