09 Nov
Violências invisíveis em Fortaleza: direitos básicos faltam onde a criminalidade é iminente
Lido 788 vezes | Publicado em Notícias | Última modificação em 09-11-2017 10:48:29
 
Imagem da reportagem Violências invisíveis em Fortaleza
tamanho do texto reduzir tamanho do texto aumentar tamanho do texto
Qualifique este item
(0 votos)

A violência letal que se expressa nos altos índices de homicídio tem uma relação estreita com a violação de direitos básicos, como acesso à educação, ao saneamento e à habitação, a que é submetida grande parte da população. Para mostrar essa relação entre violência e ausência de direitos, o jornal Tribuna do Ceará produziu a reportagem especial "Violências invisíveis em Fortaleza: direitos básicos faltam onde a criminalidade é iminente". A matéria especial mostra também o mapa dos assentamentos precários na capital do Ceará.

A Rede Observatório das Metrópoles divulga a reportagem para valorizar os trabalhos jornalísticos que buscam produzir narrativas mais completas e profundas sobre os problemas urbanos.

VIOLÊNCIAS INVISÍVEIS EM FORTALEZA

Mais de 40% da população de Fortaleza – a quinta maior capital do Brasil – vive em áreas de assentamentos precários: lugares de produção de injustiça, de segregação e de extrema desigualdade sócio-espacial. Nesses territórios, o acesso a direitos básicos, como educação, saúde e lazer, é ínfimo ou inexistente. É em meio a esse abandono que se estabelece uma série de violências que culminam nos altos índices de homicídios no Estado.

O Tribuna do Ceará conheceu de perto a realidade de uma dessas áreas que integram a lista de assentamentos precários segundo a Prefeitura de Fortaleza: o bairro Arraial Moura Brasil. A zona tem um dos Índices de Desenvolvimento Humano (IDH) mais baixos da Capital: 0,284, igual ao IDH de Moçambique, na África, o quinto pior do mundo.

O bairro carrega um ranço histórico de ser área de concentração de pobreza. Sua formação, no final do século XIX, começou com a chegada de retirantes da seca no sertão cearense, que seguiam os trilhos do trem até a Capital. Sem assistência, a região se estigmatizou pela prostituição e pelos bares.

Hoje, ao mesmo tempo em que sedia o Marina Park Hotel – símbolo do turismo de Fortaleza – o Moura Brasil também é o território da favela conhecida como Oitão Preto, considerada a “Cracolândia” de Fortaleza e ilustrada como “terra de zumbis” por quem já cruzou sua área na madrugada.

Resolver o problema dos índices de mortes violentas passa por sanar a realidade subumana em que vive quase metade da população, pontuam especialistas. Em setembro de 2017, o Ceará superou o total de homicídios de todo o ano de 2016. O tráfico de drogas é uma das marcas do Oitão Preto. E uma das raízes da explosão dessa violência.

Acesse a reportagem completa no site do Tribuna do Ceará.

 

 



Etiquetado como:
O laboratório da Coordenação Nacional da Rede INCT Observatório das Metrópoles está temporariamente fechado, por conta do incêndio ocorrido, no começo de outubro, no Prédio da Reitoria da UFRJ.

Pedimos que os contatos sejam realizados pelos seguintes e-mails:

Elizabeth Alves
beth@observatoriodasmetropoles.net

Assuntos administrativos

Karol de Souza
karol@observatoriodasmetropoles.net

Assessoria de Comunicação

Breno Procópio
comunicacao@observatoriodasmetropoles.net

Assuntos Acadêmicos

Juciano Rodrigues
juciano@observatoriodasmetropoles.net